Deus está presente ou não?

Deus está presente ou não?: 4 – O que é a verdadeira humildade?

 

Recordo-me que quando exercia o ministério sacerdotal, sempre escutava muitos paroquianos me pedindo a fórmula  de como ser humilde. Como posso ser humilde? Como posso sempre aceitar a vontade de Deus? Como posso ser paciente com a história, e não me rebelar com que Des tem permitido e com certos acontecimentos da minha vida?

Esta era algumas perguntas que surgiam que no fundo para minha pessoa ficava muito claro que a resposta de todas era muito simples, direta e fácil: “As pessoas tem a concepção de que Deus criou o homem ou a mulher como uma máquina e que Ele , em cada momento da nossa vida, Ele vai apertando alguns botões ou direcionando a nossa vida, conduzindo ou manipulando o nosso viver.

Acredito que nenhuma destas afirmações está correta, ou são verdadeiras, pois fomos criados para sermos livres, e escolhermos os caminhos que bem quisermos seguir.

Sempre escutei que o verdadeiro sentido da palavra humildade: é viver dependendo daquele que não só nos criou, mas que nos dá vida. Esta dependência ele dever ser existencial e fundante.

Para que esta realidade se concretize em nossa vida, ao longo da nossa caminhada, o nosso coração que é “expert” em que se apegar em tudo, em todos, em todas as realidades etc. Deve aos poucos sendo transformados pelo Espírito Santo, e possamos refletir, ou ser reflexos da obra de arte que fomos criados por Deus.

“Fomos criados a imagem e semelhança do criador”.

Portanto, a nossa primeira e principal vocação é transmitir o que existe dentro do nosso coração: “A imagem e semelhança do criador”. Para que tal transformação aconteça é necessário que, como fundamento da nossa existência, seja somente uma realidade: Depender de Deus para tudo.

Eu me lembro de outra preocupação que as pessoas estão passando, ou até mesmo uma preocupação da Igreja é a seguinte: “Eis que cada ano perdemos milhares de cristãos, que s vão buscar a vida em outros lugares, em outras crenças, em outras formas de vida etc”.

Nunca ficou tão claro que esta situação é sem dúvida a forma que hoje “aqueles” que se dizem cristãos estão vivendo: “As pessoas no fundo participam da Igreja com interesse de conhecer Jesus, de conhecer a verdade, de no fundo se encontrarem profundamente com o fundamento da existência humana. Porém muitas pessoas se afastam da Igreja, porque vê uma Igreja um pouco confusa: vêm vários cristãos, que falam coisas aprendidas, fórmulas bonitas, mas  logo em seguida que tem uma prática muito distante do espírito que Cristo nos deixou.

O Papa Francisco afirmou este dia, que está com medo que a qualquer momento está para começar uma guerra nuclear, pois as nações estão com os ânimos acirrados e exaltados. Precisando de uma simples receita:

“Que as pessoas olhem para os verdadeiros cristãos e digam: ‘Eu quero o que você tem. Você me faz pensar, querer e desejar, ter este mesmo Deus que habita e dirige a sua vida”.

Aí sim a paz será a busca e o fundamento das nações, independente de como será chamado este Deus (Alá, Eloim, El Shadai, Javé, Iahweh, Jeová etc…. O importante de tudo é que é o Deus que nos criou como obras primas para transmitir a beleza de seu amor e misericórdia.

 

#AlessanderCapalbo

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *