4º. Domingo do Advento – 2018

Deus não abandona o mundo, mais envia o seu Filho para que sejamos salvos

 

Estamos chegando no dia do Natal, e mais uma vez Deus nos coloca diante de uma realidade que eu a chamo de “escandalosa” para nos provocar, pois sua manifestação não se dá em riquezas, poderes, palácios, ou templos suntuosos, mas sim em pessoas que, como Maria, dizem “Eu sou a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra”.

“Deus se encarnou em nossa história”, realizando as esperanças e superando as expectativas, pois veio nascer no meio dos pobres, dos quais Maria é modelo e fonte de inspiração para o agir que constrói a sociedade e histórias novas. Deus não escolheu entrar na precariedade do homem, na miséria daqueles que sofrem, para mostrar que através de uma criança vem o poder de libertar o homem daquilo que lhe esmaga e lhe faz sofrer (que não é só o pecado), que é tudo aquilo que leva o homem a se prostrar diante das suas debilidades.

O poder de Deus nasce vem na pequenez de uma criança, indefesa, simples e acima de tudo que necessita de ser acolhida, amada e acima de tudo cuidada.

O Centro deste domingo são duas pessoas: A Virgem Maria, e a pessoa de Cristo, expressão máxima do amor de Deus que enviou seu Filho para que o mundo seja salvo por ele.

Cristo vem para desmascarar as trevas da nossa sociedade, mostrando que não é possível aderir a ele, e, ao mesmo tempo, ser opressor do ser humano ou estar do lado dos que destroem esta sociedade.

Deus que sempre permaneceu fiel a seu povo, é capaz de criar coisas novas e inesperadas – para que seu povo volte a ter esperança de vida e liberdade. Porem onde está esta novidade que Deus traz? Está no fato de enviar o seu filho, pequeno, indefeso, como já disse: que precisa da ajuda de seus pais e dos seus, para confundir os fortes, e acima de tudo confundir o poder do demônio que se dá na soberba do poder e da grandeza deste mundo.

O povo (eu e você) sempre infiel ao projeto de Javé, mas nem tudo está perdido. Deus continua sendo fiel às suas promessas, sobretudo às que fez aos nossos antepassados. É daí que nasce novamente a esperança, seu filho que vem para reconstruir não só um templo de pedras e tijolos, mais sobretudo reconstruir a nossa vida, nos ensinar a viver de fato em defesa da vida verdadeira e não da dicotomia que nos ensina a vida mundana.

O mais importante deste domingo é que DEUS não ama somente um grupo em particular, mas Ele ama o mundo como um todo. Ora, o amor de Deus é oferta gratuita que atinge o ser humano em profundidade. Ele não nos ama porque sejamos bons, mas porque ele é bom, que salvar e comunicar que existe um caminho para ter vida em plenitude.

A salvação de Jesus não discrimina as pessoas: todos necessitam dela e todo têm acesso a ela, mediante a fé nesta criança que está para chegar: “Porque Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo nem as pessoas, mas para que o mundo seja salvo por ele”. Para mim o que mais me chama a atenção na escritura é a passagem de Ez 18 que faz esta afirmação: Deus não deseja que as pessoas se percam, nem sente satisfação em condenar ninguém. O prazer de Deus é salvar a todos, é mudar a todos com o que chamamos da LOGICA DO AMOR.

O que devemos FAZER ENTÃO NESTE Natal?

Devemos  nos aproximar desta criança que chega, que é o Filho de Deus, que é a Luz, que a verdadeira Lógica do Amor, escondida dos sábios, dos que sempre tem razão, dos soberbos, dos inteligentes, dos donos da verdade, etc… e pedir a Cristo que nos faça simples, pequenos e que nos ajude a abrir a nossa vida, o nosso coração para que ele possa fazer morada dentro de nós, que ele possa mudar o nosso espírito mundano, neste espírito de pequenos e dependentes de Deus. Não podemos querer viver como opressores e ao mesmo tempo oprimidos.

Neste domingo a única realidade que Deus nos pede é: apesar das nossas fraquezas e infidelidades, façamos sem medo uma adesão um assentimento a está criança que está para nascer. Cristo vem para nos fazer experimentar sair da escravidão e ir a liberdade, de sair das trevas e encontrar a luz que é Deus.

 

#AlessanderCapalbo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *